Convertidos à igreja


Tem sido bem recorrente esse tipo de história:

PRIMEIRA ERA

O cara se converteu.

Vive dentro de um certo tipo de igreja.

Ele é participativo. Não perde uma programação.

É dizimista fiel, como também é fiel aos seus líderes.

Namoro?!

Só se for com o consentimento da liderança.

— Vai orar seis meses se quiser namorar com a Paty.

Não bebe uma gota de álcool sequer. Apenas o cheiro dele já é a suvaqueira do mau.

A gula é única exceção para pecar, pois vive de confraternizações gospels.

Vai lá na minha igreja. Lá é bem legal.” – é a fala que os amigos das antigas – os caras do mundo – mais ouvem.

“Ô glória!”

“Tá amarrado!”

“… em nome de Jesus!”

“Foi uma benção.”

“A paz irmão.”

Etc. e tal;

São frases que saem dessa boca, pelo menos, uma cem vezes por minuto.

Não assiste os filmes da Disney.

Não consome produtos de certas marcas, pois ouvira dizer que foram consagrados ao diabo.

Enfim.

Até pra família parece que o menino pirou de vez.

Para os amigos da igreja, ele é firme na fé.

E assim se segue.

Até que um dia…

SEGUNDA ERA

Pega todas.

Bebe tudo e mais um pouco, afinal Jesus transformara barris de água em vinho pra uma galera que já estava pra lá das arábias.

Passa o dia curtindo o cigarrinho do matagal do capeta e um doce de sobremesa.

Vai do sambão pro psy como o sol que de manhã aparece, mas de tarde se vai.

Vai e

Vai longe.

Bem mais longe do que tivera ido antes de ser um prosélito.

Longe de Deus.

AUTO DEFESA

— Perdi muito tempo na igreja. Eles abusaram de mim. Fiz de tudo e o que eu ganhei? Nada! Agora, não devo mais satisfação a ninguém. Sou livre e feliz assim. Posso fazer o que eu quiser.

A REAL

Parece que,

Sempre foram convertidos a igreja,

Mas nunca foram para Deus.

Eram prosélitos mesmo.

Convertidos às doutrinas de suas igrejas.

Seguidores de seus líderes.

Fieis à conveniências.

Religiosos.

Nunca entenderam que santidade não é o cumprimento de uma cartilha de regras igrejeiras.

Nunca entenderam que santidade é padrão divino – do céu.

Boas ondas,

Tropical

P.S.: Triste é que ainda tem gente que não se desviou da igreja, vai se desviar, mas não se dá conta de quem ainda está servindo.

Etiquetas:

Ainda sem comentários.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Coletivo TraçaUrbana

o c o r p o e n t r e d o t e c i d o u r b a n o

De volta ao Manual

Pensamentos sobre o amor de Deus na vida cotidiana

projetosilva

Ukulele e Voz ,Letras Simples e Pensamentos Sinceros...

Don Charisma

because anything is possible with Charisma

Do Pensamento no Deserto

CRÔNICAS, ARTIGOS, ENTREVISTAS E IDÉIAS DE LUIZ FELIPE PONDÉ

Nelson Costa Jr.

" Ceci Est Un Dieu "

Marco Juric

Fotografia

Teologia Hermenêutica

Sobre os equívocos, exageros, métodos e possibilidades de interpretação teológica no pensamento cristão.

TROPICAL - AIRO

espiritualidade

Sandro Baggio

Trilhando o estreito caminho entre o cinismo e a ingenuidade.

A Bacia das Almas

Onde as ideias não descansam

espiritualidade

drnerium

Just another WordPress.com site

Uma pausa para o café.

Porque precisamos de uma pausa.

jonasmadureiradotcom.wordpress.com/

"Quebre os grilhões da cela, mas não se assuste se o prisioneiro não sair, talvez a cela seja absurdamente confortável."

Reino & Sacerdote

Trabalhando para que a Igreja cresça e que o Reino avance!!! Ap 1.5,6

%d bloggers like this: