“Senhoras e senhores, bem vindos a maior sinceridade do planeta”


 Por Danilo Campanhã – O impostor

 ”Custei a compreender que a fantasia é um troço que o cara tira no carnaval
e usa nos outros dias por toda a vida.” Aldir Blanc

Sexta feira, assim que o relógio bater às 18h, uma massiva parte da nossa nação exteriorizará a sua ansiedade para serem quem realmente são. É o carnaval. O desfile de máscaras.
Ou seria o desfile dos desmascarados?

Nós brasileiros, mesmo sendo passivos, tivemos a coragem que poucos povos tiveram até hoje, de ignorar a moral sem medo algum, e mostrar nossa cara como somos.
É feriado; tão antagônico com os outros dias festivos no Brasil, que precisa um dia extra pra se recuperar de sua depravação.

A permissividade nesses próximos dias, desejada durante tantos outros, será o estopim da ânsia por liberdade. Liberdade daquilo que nem foi pedido. É o grito interno de independência sussurrado em passos e batuques que o líquido da verdade traz.
Sem culpa. Sem vergonha. Sem consciência. Sem regras.

“Posso ser o que quiser que o outro também está sendo, não tem nada demais, e seremos todos felizes.”
Seremos?
Todos se igualam, todos se encontram no fundo do inconsciente e abrem os portões entre seus mundos, rejeitando qualquer tipo de fronteira. Todos procurando sentido na falta de sentido.
Nos vestimos, nos escondemos debaixo de máscaras brilhantes, nos despimos dos padrões e encontramos Pedrões que agradam, mas não satisfazem. Deixamos a realidade de lado e realizamos a mente real.
Uma mísera escapada para voltar ao figurino.

E quem é crente é mais irônico ainda. Diz não participar “deste evento”…
Quando é o seu Carnaval?


“Terminado o Carnaval, eis que nos encontramos com os seus melancólicos despojos: pelas ruas desertas, os pavilhões, arquibancadas e passarelas são uns tristes esqueletos de madeira; oscilam no ar farrapos de ornamentos sem sentido, magros, amarelos e encarnados, batidos pelo vento, enrodilhados em suas cordas; torres coloridas, como desmesurados brinquedos, sustentam-se de pé, intrusas, anômalas, entre as árvores e os postes. Acabou-se o artifício, desmanchou-se a mágica, volta-se à realidade.”- Cecília Meireles


Etiquetas:

Ainda sem comentários.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Coletivo TraçaUrbana

o c o r p o e n t r e d o t e c i d o u r b a n o

De volta ao Manual

Pensamentos sobre o amor de Deus na vida cotidiana

projetosilva

Ukulele e Voz ,Letras Simples e Pensamentos Sinceros...

Don Charisma

because anything is possible with Charisma

Do Pensamento no Deserto

CRÔNICAS, ARTIGOS, ENTREVISTAS E IDÉIAS DE LUIZ FELIPE PONDÉ

Nelson Costa Jr.

" Ceci Est Un Dieu "

Marco Juric

Fotografia

Teologia Hermenêutica

Sobre os equívocos, exageros, métodos e possibilidades de interpretação teológica no pensamento cristão.

TROPICAL - AIRO

espiritualidade

Sandro Baggio

Trilhando o estreito caminho entre o cinismo e a ingenuidade.

A Bacia das Almas

Onde as ideias não descansam

espiritualidade

drnerium

Just another WordPress.com site

Uma pausa para o café.

Porque precisamos de uma pausa.

jonasmadureiradotcom.wordpress.com/

"Quebre os grilhões da cela, mas não se assuste se o prisioneiro não sair, talvez a cela seja absurdamente confortável."

Reino & Sacerdote

Trabalhando para que a Igreja cresça e que o Reino avance!!! Ap 1.5,6

%d bloggers like this: